| Conexão Central |

Comunicação para resultado e retorno!

Estudantes criam roupas para portadores de necessidades especiais

 

Lorena de Castro, de 23 anos, foi uma das modelos a desfilar as peças cortadas com uma inspiração toda especial: a celebração da igualdade

Lorena de Paula, de 18 anos, e Lorena de Castro, de 23, nunca cogitaram ser top models. O sonho de encantar nas passarelas, que costuma passar pela cabeça de 9 entre 10 meninas, para elas parecia algo inatingível. Muita gente não apostaria que, com respectivamente 1,12 metro e 1,13 metro, elas pudessem brilhar nas passarelas, templo dominado por mulheres com outros padrões e medidas.

A altura, porém, não impediu que elas não só desfilassem, mas que fossem clicadas pelas lentes dos fotógrafos que acompanharam o desfile de conclusão de curso dos alunos de Moda do Centro Universitário UNA na tarde de domingo, no Centro de Belo Horizonte. “Foi a primeira vez que desfilei. Fiquei um pouco nervosa, mas adorei”, disse Lorena de Paula ao retornar aos bastidores do desfile.

Maquiadas e com cabelos produzidos, elas e outras jovens da Associação Pequenos Guerreiros mostraram as peças criadas por Mariana Rocha Marques, de 22 anos, que está se formando em Moda. “Para elas, a modelagem tem que ser diferente, porque têm corpo de adulto, mas tamanho de criança. Por isso, muitas vezes, é complicado encontrar roupas com um bom caimento”, afirmou.

A jovem estilista buscou inspiração na cultura de Itabaianinha, município sergipano conhecido como cidade dos anões. A coleção colorida, com rendas de algodão, aliava conforto e beleza para mulheres portadoras de nanismo. “A moda não tem tamanho. É para todos”, defende Mariana.

Como a Mariana, foi sugerido a outros 20 futuros estilistas que apresentassem propostas para uma moda inclusiva ou que incentivasse a inclusão social, como parte do trabalho de conclusão de curso. Outro a topar o desafio, Gustavo Barbosa, de 24, apresentou uma coleção para os jovens no continente africano que são recrutados para a guerra. “Mostro o antes e o depois da guerra, e como essas crianças perdem o lado infantil”, disse.

A proposta do curso surgiu porque duas das alunas têm deficiência auditiva e visual. Dessa forma, a coordenadora, Renata Abreu Gomes Lunkes, propôs o Projeto Moda Inclusiva, que tinha como objetivos não só criar coleções que atendessem às especificidades de deficientes físicos e mentais, mas também apresentar propostas para melhorar a acessibilidade às lojas, aos provadores e a todos os ambientes relacionados ao consumo de roupas e acessórios. Antes de os alunos começarem a criar, foram realizadas palestras e várias pesquisas para apresentar peças para cadeirantes, portadores de nanismo, cegueira e esquizofrenia.

Arte “em braile”

A Exposição de desenhos para invisuais e visuais, da artista Eni D’ Carvalho, pode ser conferida na galeria de arte do Terminal Rodoviário até 31 de julho. A obra convida o espectador a se integrar por meio dos sentidos, uma vez que a artista produz desenho, pinturas, fotos, gravuras, colagens que podem ser tocados por quem quiser, deficientes visuais ou não.

Fonte:  Estado de Minas – em 05.07.2010

No comments yet»

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: