| Conexão Central |

Comunicação para resultado e retorno!

Proposta economiza no espaço e facilita o transporte

Postado por Edgar Marcucci

Criação do estudante Andrew Kim, as novas propostas de embalagens não são somente bonitas mas também sustentáveis e inteligentes. O novo formato quadrado traz uma racionalização de espaço, facilitando o transporte, armazenagem, e espaço no ponto de venda.

A argumentação de um transporte mais eficiente é bastante válida quando trata-se da Coca-Cola, que vende cerca de 3 milhões de garrafas por dia. Além disso o designer pensou também no design durante o uso, que permite “sanfonar” a garrafa parcialmente, eliminando o oxigênio e mantendo o gás, e a pós-uso, onde a garrafa de plástico tem seu tamanho reduzido em até 66% quando amassada.

Enviado em 29/03/2010 por André Felipe Ynouye | Fonte: Design Fabolous

Anúncios

[tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]

Você acredita que é possível ganhar R$ 1.200,00, R$ 10.000 ou mais, trabalhando em casa ou em seus horários improdutivos? Provavelmente não. Afinal, tudo que parece bom demais para ser verdade, costuma não ser. De qualquer modo, você já deve ter notado a quantidade de anúncios classificados, panfletos, cartazes e outros meios de divulgação prometendo esses resultados por aí, não é mesmo? Eles estão por toda parte…

Negócio Próprio em Home Work Trabalho em casa investimento baixo e retorno certo

Negócio Próprio em Home Work

Então eu pergunto: por que há tanta gente envolvida nisso? Será que funciona? Será que é ilegal? Você gostaria de saber do que se trata? Se fosse uma oportunidade real de mudar a sua vida, você estaria preparado para aceitá-la? Ou descartaria de imediato, como vem sempre fazendo?

Eu não sei qual é a sua experiência nisso, mas recomendo que você baixe suas armas e preste muita atenção no que vou dizer: nem todos os anúncios têm a mesma origem. Portanto, não existe uma resposta fácil para qualquer dessas perguntas. Não dá para saber se a oportunidade é verdadeira pelo anúncio, simplesmente porque há inúmeras empresas usando estratégias parecidas para divulgarem seus negócios. Algumas são fraudulentas, outras mal-intencionadas… e muitas têm algo realmente bom a oferecer.

Parece óbvio, mas a grande maioria das pessoas se fecha às oportunidades que surgem por puro preconceito. Elas tiveram alguma experiência negativa ou escutaram alguém falar de negócios que não deram certo, e pensam que todas as oportunidades que existem se referem à mesma empresa, produto ou situação. Enfim, passam a vida inteira falando mal das pessoas que desenvolvem esse tipo de negócio, sem conhecer.

Não seja tão ingênuo. Que tal investigar um pouco mais sobre negócios domiciliares antes de assumir uma postura definitiva? Mesmo que você não se interesse em construir esse tipo de negócio, poderá ajudar os amigos e parentes que se envolverem.

O PRODUTO “OPORTUNIDADE”
Está claro que o desemprego chegou para ficar. Não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, o mercado de trabalho vem sofrendo grandes transformações. Hoje, não se têm as mesmas garantias do passado e está cada vez mais difícil manter uma posição.

Diante deste quadro, quantas pessoas estão ociosas por falta de emprego? Faz sentido imaginar que o medo de perder o posto obriga àqueles que estão empregados a aceitarem condições piores de trabalho e salários mais baixos?

Ao mesmo tempo em que o trabalho formal vem sendo desvalorizado a cada dia, basta olhar para os lados para perceber a maior obsessão das empresas: conquistar e fidelizar seus clientes. São promoções, publicidade, condições de pagamento a perder de vista, enfim, vale tudo para sobreviver mais um dia nesse mercado.

Nunca, em qualquer tempo, tantas empresas surgiram e desapareceram tão rápido quanto agora. Ou seja, a competitividade que existe entre os seres humanos para conseguir empregos, é praticamente a mesma que as existe entre as empresas, para conseguir clientes.

Percebendo isso, alguns empresários resolveram unir o útil ao agradável. Eles começaram a oferecer oportunidades para as pessoas insatisfeitas com o mercado de trabalho formal, da seguinte forma: “quanto mais vocês me ajudarem a expandir as vendas, mais dinheiro eu estou disposto a pagar”. Criou-se, então, o produto “Oportunidade” para empreendedores autônomos de todo tipo: vendedores, treinadores, administradores e pessoas comunicativas em geral.

Faz sentido, não? Claro que faz!

Negócio Próprio em Home Work Trabalho em casa investimento baixo e retorno certo

O DISTRIBUIDOR INDEPENDENTE
Talvez você nunca tenha ouvido falar nesta profissão, mas já existem mais de um milhão de brasileiros trabalhando como Distribuidores Independentes. Não é incrível? Este é o mercado de Vendas Diretas, que faturou R$ 3,6 bilhões e cresceu 21% no último semestre, segundo a ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas.

O que os Distribuidores Independentes fazem? De um modo geral, apresentam os produtos e serviços dessas empresas para o maior número de pessoas possível. Fazem demonstrações, palestras e realizam vendas para começar, mas a atividade de vendedor costuma ser apenas o início do seu próprio negócio. É um ganho imediato que, dependendo da empresa, pode chegar tranqüilamente aos números divulgados por aí.

Basta fazer a conta: a maioria das empresas oferecem 30% de descontos sobre o preço sugerido à venda, para seus Distribuidores Independentes. Ou seja, um determinado produto que custa R$ 100 ao cliente final, é adquirido pelo Distribuidor por R$ 70. Dependendo da empresa, os números podem variar, mas o fato é que se você fizer apenas uma venda por dia, e vender de vinte a trinta itens no mês, irá movimentar algo em torno de R$ 2.000 em vendas ao cliente final, colocando no bolso aproximadamente R$ 600.

É pouco? Talvez seja pra você, mas eu sugiro que enxergue o mercado como um todo. Quantas pessoas no Brasil trabalham dia e noite para ganhar bem menos que isso? Quantas estão dispostas a trabalhar e não conseguem ser absorvidas pelo mercado formal? Quantas querem uma oportunidade para reconquistar sua auto-estima e sustentar suas famílias com dignidade? Milhões é a resposta.

Portanto, se você acha pouco receber R$ 600 sobre as próprias vendas, que tal receber R$ 1.500, R$ 3.000 ou até R$ 10.000 por recrutar e treinar essas pessoas?

Sim, como eu disse antes, a venda direta é apenas o início deste tipo de negócio. Todos começam realizando vendas pessoalmente, mas à medida em que se desenvolvem como líderes e formadores de equipes produtivas, os Distribuidores Independentes podem se tornar grandes empreendedores autônomos, gerenciando redes espalhadas por todo o País e pelo mundo.

Se você é um bom treinador, determinado a aprender as melhores técnicas e se aprimorar a cada dia, pode começar com cinco, depois dez, vinte, cem… até alcançar mil Distribuidores ativos em sua equipe, no prazo de dois a cinco anos. Considerando os números acima, você pode gerar um volume de negócios de R$ 2.000.000 mensais para a sua empresa. Se um dia você receber 1% disso, estamos falando em um ganho aproximado de R$ 20.000/mês.

Você pode alcançar resultados expressivos, mas o potencial de crescimento não é o mais importante. O fundamental é entender que todos começam do mesmo ponto, sem a necessidade de fazerem grandes investimentos. Ou seja, você pode iniciar um negócio domiciliar com apenas R$ 200 e, daqui a cinco anos, gerenciar um mercado de distribuição milionário. Só depende de você!

DICAS E ARMADILHAS
O sistema faz sentido e os números estão aí para provar que funciona. Em 2002, pouco mais de 1 milhão de brasileiros movimentaram o equivalente a R$ 6,9 bilhões. Nos Estados Unidos, foram mais de 12 milhões de distribuidores e US$ 28 bilhões em vendas.

O negócio de vendas diretas funciona e vai muito bem, obrigado!

Entretanto, é natural que nem todas as empresas deste setor sejam prósperas e vencedoras. Sabemos que nem todos os produtos comercializados têm qualidade compatível com os preços praticados, nem todos os profissionais são éticos… enfim, podemos encontrar os mesmos problemas em qualquer outra indústria.

Além disso, são comercializados diferentes tipos de produtos, nos segmentos de cosméticos, nutrição, cuidados pessoais, cuidados com a casa, roupas e praticamente tudo que você pode imaginar. Algumas empresas priorizam o ganho imediato e oferecem um plano de carreira mais simples. Outras, querem expandir rapidamente e valorizam o potencial de ganhos a médio e longo prazos. Ou seja, há oportunidades para todos os gostos. Cabe a você distinguir as melhores oportunidades para o seu perfil.

Uma sugestão que vale ouro: jamais se envolva em uma companhia sem conhecer e testemunhar a qualidade de seus produtos/serviços. Você precisa enxergar o valor do que está vendendo para o negócio funcionar ao longo do tempo. Qual o benefício real que você estará levando para as pessoas? O produto tem um preço compatível ou você está interessado apenas na oportunidade de ganhar dinheiro? Tenha a consciência limpa. Isso é indispensável para alcançar o sucesso pessoal e profissional.

Outra coisa: certifique-se de que a estratégia utilizada pela empresa e seus treinadores são sustentáveis e compatíveis com seus valores éticos. Infelizmente, existem empreendedores que cometem alguns abusos na tentativa de buscar atalhos para o sucesso. Além de não conseguirem resultados duradouros, acabam prejudicando o trabalho de quem atua corretamente.

Por exemplo, há Distribuidores Independentes que se utilizam da prática de SPAM (e-mail comercial não-solicitado) para promoverem suas oportunidades. Isso é uma forma errada de desenvolver qualquer negócio, pois além de comprometerem seriamente a própria imagem, prejudicam a empresa e os demais distribuidores. Para cada pessoa interessada, a prática de SPAM gera centenas ou milhares de descontentes, falando mal do sistema. Ou seja, é uma prática muito similar às queimadas que esgotam o solo rapidamente.

Portanto, se você deseja construir um futuro de sucesso, cuide bem de suas raízes. Respeite consumidores e parceiros potenciais, oferecendo algo de real valor. Não aumente, nem invente. A oportunidade de vendas diretas é muito positiva e funciona no tempo certo, se você estiver disposto a trabalhar e se desenvolver como profissional.

QUEM PODE FAZER?
Aí é que está o grande diferencial deste mercado. Todas as empresas de Vendas Diretas querem vender mais e oferecem estrutura para atender um número ilimitado de Distribuidores Independentes. Por isso, sobram vagas!

Além disso, por não haver qualquer limitação quanto à experiência, faixa etária, formação profissional, o mercado de vendas diretas acolhe todo tipo de pessoa. A única seleção que existe está relacionada a sua vontade de iniciar algo novo e investir o tempo necessário em seu próprio aprendizado. Se você quer, você pode!

Algumas pessoas podem iniciar seus negócios de venda direta em meio expediente, para não abandonarem sua fonte de renda principal. Depois, à medida em que os resultados aparecem, podem se dedicar mais e assim por diante.

Outra coisa importante: por lidarem com pessoas de origens tão diferentes, as empresas de vendas diretas investem muito em capacitação profissional. Todas oferecem cursos e materiais de apoio bem elaborados, que visam ensinar passo-a-passo o que você precisa para galgar os degraus do sucesso.

Neste mercado, não há privilégios para quem tem formação A, B ou C. O diferencial está na determinação de cada um. Pode ser até que uma pessoa com nível superior ou capital para investir comece um pouco mais rápido, mas essa diferença desaparece logo nos primeiros passos da caminhada. A prova disso é que as principais histórias de sucesso deste mercado são de pessoas que começaram da base, com pouco ou nenhum recurso.

A verdade é que não há ganho sem dor. Este é um negócio sério como outro qualquer. É preciso trabalhar com afinco e se desenvolver diariamente para chegar a algum lugar.

Fonte: Sebrae-SC – Novembro |2003

Se precisar de ajuda, entre em contato com Edgar Marcucci: edgarmarcucci@gmail.com

O Canal de Vendas Ideal Para Cada Negócio

[tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]

Duas perguntas definem a escolha do canal de vendas: qual é o objetivo desse canal, e qual a realidade da empresa.

Quando pensamos no uso de canais de vendas para incrementarmos os negócios, é preciso estar atentos aos mitos e verdades que cercam esse tema. Um dos erros mais comuns é acreditar que a designação de canais de vendas é uma forma barata de expandir a capacidade de distribuição. No entanto, é preciso investimentos para o desenvolvimento de um canal sólido de vendas indiretas, saber a força da sua marca, seus objetivos, estratégias de mercado, enfim, entender que cada um desses itens tem uma função fundamental para que todo o processo seja eficaz.

Duas perguntas básicas devem nortear a empresa para a criação de um canal de vendas: qual será o propósito deste canal e qual é a realidade da companhia. As respostas para estas questões apontam para dois caminhos. Se a sua marca é forte e o cliente busca o seu produto especificamente por já ter um bom posicionamento no mercado, você terá o canal como cobertura para expandir a distribuição, ou seja, disponibilizar o seu produto em todos os processos de compra. Se a sua marca é desconhecida, a oferta deverá ser inovadora e a função de seu canal de vendas deve ir muito além da distribuição. Será necessário vender uma ideia, que também representará a empresa no mercado. Vamos nos concentrar neste segundo caminho.

Considerando que a sua marca não é conhecida, o canal se tornará uma extensão do seu time comercial, precisando demonstrar com clareza e convicção os motivos pelos quais os clientes devem adquirir o que está sendo oferecido. Em um mercado não demandante e com muita concorrência, o investimento para o desenvolvimento do canal torna-se essencial.

Escolher os parceiros é outro ponto crucial. Apostar em inúmeras empresas não é aconselhável, pois você poderá perder atratividade. A parceria é uma estrada de via dupla, na qual você tem que apostar em seu canal, mas precisa exigir que ele aposte na sua companhia. Devem existir investimentos e seu parceiro precisa estruturar equipes técnicas e ações de marketing para gerar novas demandas de negócio. Depois de fechar os acordos, acompanhe de perto o plano de trabalho que seus parceiros irão apresentar para, assim, garantir aumento das receitas. Esse trabalho em equipe ajudará, também, a resolver problemas e a não gerar conflitos, que podem impactar os negócios.

A etapa seguinte exige identificar quais serão os investimentos necessários em pessoas e em estrutura, quais as ações de marketing devem ser adotadas e os resultados esperados em termos de comercialização. Outra questão importante para garantir o bom funcionamento do canal de vendas é estudar o espaço de atuação e aplicar regras claras, ou seja, definindo os clientes que serão atendidos por sua força de vendas direta e a autonomia que estes parceiros terão. Deve estar claro como os segmentos de indústria serão trabalhados por cada um dos distribuidores (por região ou por contas), assim como a competência de cada canal. As regras estabelecidas definirão o tipo de contrato a ser utilizado, como serão as comissões, os descontos, o suporte técnico, o atendimento pós-venda e qual será a conduta ética esperada do parceiro.

É fundamental enxergar seus canais de vendas como uma extensão da sua força de vendas, da mesma forma que aspectos, como treinamento e motivação não podem ser negligenciados ao longo do tempo.

O sucesso desse trabalho resume-se a duas palavras: comprometimento e regras claras. Por isso, fique sempre em alerta e nunca deixe a estrutura estagnar, substituindo, quando necessário, os parceiros de baixo desempenho. Os canais de vendas são como as pessoas que trabalham com os seus produtos. Algumas vezes demandam ajustes e, até mesmo, trocas, mas eles sempre irão se mover se forem motivados e se tiverem novos desafios.

Fonte: Endeavor Brasil – Junho |2012

Se precisar de ajuda, entre em contato com e@comcentral.com.br

Renda extra com seu negócio próprio em casa

[tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]

Muita gente que decide montar o próprio negócio prefere fazê-lo em casa, ao menos no começo, para diminuir os riscos da empreitada. Entre outras vantagens, trabalhar por conta própria em casa permite um certo conforto e economia de tempo e de dinheiro.
Mas atenção: você precisará ter muita disciplina para que isso não comprometa a sua produtividade. É fundamental delimitar o espaço físico entre a casa e o trabalho e tomar cuidado para que não haja interferência da família no dia-a-dia do negócio. Procure respeitar os horários. Nada de parar no meio do expediente para um cochilo ou para asssitir à TV. Você também não deve estar 24 horas por dia à disposição dos clientes. Lembre-se de que suas horas de descanso e de dedicação à família também devem ser sagradas tanto quanto possível.

Até pouco tempo atrás, trabalhar em casa era algo restrito a atividades como costura, produção de comida congelada e artesanato. Com o tempo, a lista foi crescendo e hoje inclui também atividades descoladas, como promoção de eventos, aluguel de som e luz para festas, agência de turismo, escritório de design para sites, criação de jogos para celulares e produção de incensos, velas e community commerce. Se você se interessou por alguma dessas atividades, confira a seguir algumas dicas de empresários que atuam nesses ramos para você se dar bem.

aromaterapia pode ser uma oportunidade para novos negócios dentro do setor de bem-estar. O mercado ligado ao bem-estar segue em alta no país. Um número cada vez maior de pessoas busca alternativas para equilibrar o corpo e a mente e para reduzir o estresse do dia-a-dia. Muitas atividades exigem investimentos relativamente altos, como a montagem de um spa urbano ou de uma clínica de terapias orientais. Mas se você tem afinidades com o ramo e não dispõe de muito capital, pode iniciar um negócio dessas duas formas, por exemplo:

Na produção de incensos, velas, sabonetes, sachês e outros aromatizantes, em sua própria casa, sem fazer grandes investimentos.
O empresário João Pedro Hessel Filho, de São Paulo, que atua no ramo de aromaterapia, diz que o ideal é você começar fazendo um ou outro item apenas e ir aumentando a gama de produtos à medida que for se firmando no mercado. Além de vender os produtos diretamente para o consumidor final e para as lojas, você pode formar parcerias com outras empresas do ramo, como as clínicas de terapias orientais.

Se você não tem nenhum talento específicos, não tem o dia inteiro disponível e não tem muito dinheiro para investir, sua oportunidade também pode estar no mercado de bem estar, uma indústria que já movimenta mais de 4,5 bilhão de dólares neste segmento é o de  community commerce.
Fernão Batistoni era mepreendedor de pequenos negócios que não tinha a renda que desejava. Iniciou um projeto de community commerce em casa, nas suas horas extras. Aplicava 1 hora por dia no novo negócio enquanto ainda trabalhava 12h nos seus outros negócios.
Hoje, com menos de 3 anos neste mercado tem mensalmente de mais de R$ 160.000,00 em lucro líquido, sem altos custos fixos, sem uma estrutura fixa e sem funcionários. Tem qualidade de vida e tempo para curtir a vida desenvolvendo seu projeto que, é claro, já se tornou seu principal negócio.

Fonte: Revista PEGN – Maio|2012

Se precisar de ajuda, entre em contato com e@comcentral.com.br

Está à procura de ideias para montar o seu negócio?

100 ideias para montar o seu negócio

 [tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]

Está à procura de ideias para montar o seu negócio? A ediçãode janeiro da Pequenas Empresas & Grandes Negócios traz, em sua reportagem de capa, 100 delas – 50 oportunidades com investimento inicial a partir de R$10 mil, mais 50 novidades internacionais, que você pode implantar no Brasil. São ideias em setores como alimentação, comércio eletrônico, estética e bem-estar, sustentabilidade e turismo. A reportagem traz ainda testes que ajudam a verificar o que falta para você se tornar um empreendedor de sucesso. A edição de janeiro também mostra os desenhos e os projetos feitos por crianças da rede pública de ensino – alunos que criam produtos e desenvolvem sua capacidade empreendedora. Em outra reportagem, empresários de diferentes países contam os desafios que tiveram de enfrentar antes de chegar à prosperidade. Confira também uma entrevista com o francês Norbert Alter, especialista em sociologia empresarial; os elementos cruciais de um bom contrato de franquia; e as maneiras de se livrar de sobras de estoque.

Os brasileiros nunca tiveram tantas oportunidades para abrir (com sucesso) o próprio negócio como agora. Dados do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) mostram pela primeira vez o país como o segundo mais empreendedor entre as 20 maiores economias do mundo, atrás apenas da China.

As opções de recursos para empresas nascentes ou com alto potencial de crescimento aumentam. Além do tradicional crédito, fortalecem-se formas de capitalização antes pouco usuais, como fundos de capital semente e aportes de investidores pessoa física. Segundo estimativas do Centro de Estudos de Private Equity, da Fundação Getulio Vargas (GVCepe), esse tipo de financiamento deve atingir um montante de US$ 65 bilhões até 2015, ou 80% a mais do que os US$ 36 bilhões aplicados no final de 2009.

Para 2011, a previsão é de uma economia robusta. De acordo com estimativas do governo, o PIB deve crescer entre 4,5% e 5% e o investimento estrangeiro direto, ou seja, aquele destinado à produção, pode passar de US$ 38 bilhões para US$ 45 bilhões. Se o país continuar avançando em bom ritmo, irá se tornar cada vez mais cobiçado. Pesquisa conduzida pela Ernst & Young Terco coloca o Brasil como quinto maior mercado do planeta em 2030, com um potencial de consumo de US$ 2,5 trilhões, atrás apenas de EUA, China, Índia e muito perto do Japão. “O aumento do crédito, a melhoria de renda e grandes eventos como a Copa do Mundo irão criar um efeito dominó que vai beneficiar dezenas de setores”, diz André Viola Ferreira, sócio da Ernst & Young Terco.

Além das áreas relacionadas à infraestrutura, como construção civil e energia, muitas outras devem se expandir neste e nos próximos anos. “O Brasil vai precisar desenvolver mão de obra e tecnologia”, afirma Carlos Miranda, proprietário da gestora de fundos de investimento BR Opportunities. Cursos técnicos e de gestão têm potencial para se multiplicar. Serviços de automação, terceirização, consultoria e contabilidade já começam a fazer parte não só da vida de grandes corporações como também de pequenas e médias empresas. Com o crescimento do consumo, setores tradicionais, como alimentação e beleza, também faturam – mas, nesses casos, o segredo é encontrar um modelo de negócio diferenciado. Para isso, a internet vem ajudando muito: é possível ter atualmente ideias originais que podem ser implantadas a baixo custo.

Com o auxílio de pesquisadores, investidores e consultores, mapeamos 20 entre os mais promissores setores para você investir e selecionamos 100 oportunidades. São 50 ideias de negócio, a partir de R$ 10 mil, e 50 sacadas de empreendedores do mundo todo. Em cada uma, há uma ficha com os recursos necessários e uma previsão de faturamento (média para os dois primeiros anos) – e, no início, um valor que representa o capital inicial (equipamentos mais capital de giro mensal). Embora os dados possam variar de acordo com fatores como a região, servem de base para você criar sua história de sucesso em 2011.

Fonte: Revista PEGN – Janeiro|2011

Momento rico

[tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]A economia brasileira passa por um momento excelente. Especialistas dizem que agora será a hora de acumular dinheiro e investir, ainda sem deixar o consumo de lado.

A onda de transformações positivas da economia brasileira foi fundamental para a melhora da vida financeira de todos os brasileiros. A renda média de quem é assalariado cresceu 2,2% entre 2008 e 2009 e a taxa de desemprego caiu para 6,2% em setembro, a menor desde 2002, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com mais gente empregada, o Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no país, deve fechar em 7% neste ano.

Você que deseja empreender ou que já atua em algum ramo, seja de produtos ou serviços pode lucrar com isso.

As pessoas estão em um “momento rico” onde óptam por investir e consumir, de forma que todos os setores podem ser positivamente influenciados, com aumento das vendas e dos negócios. E para aproveitar bem este momento e não perder oportunidades, a dica é também investir em seu negócio.

RUMO AO MILHÃO

Luciano de Oliveira Benevides, de 34 anos, quer aproveitar o bom momento da economia para realizar o sonho de atingir 1 milhão de reais até os 45 anos.

Ele economiza 36% de seu salário todos os meses. “Quero ter minha independência financeira e montar meu próprio negócio”, diz. “Planejo todos os meus gastos e coloco em uma planilha, mas não deixo de fazer o que gosto.” Plugado nos preços, o pernambucano faz questão de aproveitar as oportunidades para pagar menos na hora de consumir.

“Com as milhagens do cartão de crédito, por exemplo, minhas viagens ficam mais baratas.” Luciano também não gosta de comprar nada financiado. No início do ano, resgatou 59 000 reais da renda fixa para comprar um carro à vista. Ele acabou de ser contratado como gestor de relacionamento da Vale, em São Luís, no Maranhão, e seu salário anual cresceu 35%. Por causa disso, ele quer aumentar em 1 000 reais sua capacidade de poupança. Casado, ele e a esposa, Juliana Benevides, de 27 anos, pagam aluguel.

Mas os dois têm um apartamento em Recife, no valor de 200 000 reais, que está alugado. Com as aplicações financeiras e o imóvel, o patrimônio de Luciano e Juliana já supera 300 000 reais. Hoje, 31% dos investimentos do casal estão em renda fi xa, 22% em títulos do Tesouro Direto, 19% em ações, 14% em fundo de ações e 14% em previdência.

“Vou alcançar minha meta no prazo, fiz as contas com base na rentabilidade de cada investimento”, diz. Agora, o pernambucano quer iniciar um novo investimento: comprar terrenos e construir casas para vender por até 110 000 reais. “E vou gastar em média 45 000 reais com a compra do terreno e a construção”, estima.

A HORA É AGORA

Inovar, lançar novas opções, fortalecer o relacionamento, aproximar do cliente, comunicar de forma eficiente. São formas de tirar o melhor resultado possível desta onda positiva que toma conta do cenário econômico do brasileiro.

Empresarios, empreendedores e gestores estão utilizando a comunicação para alavancdar suas vendas e aumentar seus resultados: “É importante ter objetivos bem claros e mensuráveis, planejar as açãoes e prever os resultados”, afirma Edgar Marcucci, Gestor de Projetos em Comunicação da comCENTRAL. (saiba mais)

Ele alerta que não é o momento de investir sem antes conhecer bem o cenário do mercado em que a empresa está inserida e para isso, avalia como essencial um planejamento bem elaborado e executado. E ainda lembra que “empresas que se antecipam ao mercado e se mostram mais ao seu público, aumentam suas vendas e com isso o investimento passa a ter retorno, viabilizando uma sequencia nas ações de comunicação da empresa”.

DESCUBRA SEU PERFIL DE INVESTIDOR

CONSERVADOR: sofre com as oscilações de preços, tem receio de perder dinheiro, tem pouca grana para investir e é responsável por controlar o orçamento familiar.

MODERADO: tem dinheiro para investir e está disposto a assumir riscos. Seus objetivos são de médio ou longo prazo e ele possui algum conhecimento sobre o mercado financeiro. Está de olho no retorno acima da média, mas também gosta de segurança. Para ter mais rendimentos, topa investir em aplicações com um pouco mais de risco. É o tipo de investidor que gosta de optar por aplicações de menor liquidez, já que pode esperar por mais tempo pela maturação da aplicação.

ARROJADO: tem dinheiro disponível para investir, gosta de assumir riscos, aceita as oscilações do mercado e suas obrigações financeiras estão garantidas. Tem objetivos de longo prazo e é conhecedor ativo do mercado financeiro. Entende a aplicação e tem consciência dos riscos.

Fonte: Revista Você SA – edição 151 de  janeiro|2010

Mais fácil de captar clientes

[tweetmeme source=”@comCENTRAL” only_single=false]

Dicas para pequenas empresas aumentarem suas vendas sem impactar em seus custos.

Pequenas e médias empresas ficam sempre muito desarmadas na comunicação. Não é por não querer se comunicar com seu cliente, mas muitas vezes pelo alto custo de investimento e até pela falta de agências focadas em atender pequenas campanhas com qualidade e um orçamento compatível com seu faturamento.

Neste tempo de web 2.0, onde a internet chega à mais de 80% da população brasileira, os empresários e empreendedores contam uma ferramenta muito eficiente de divulgação: o e- mail marketing.

Mas, para que gere resultados para seu negócio, atraíndo novos clientes e gerando muitas vendas, são necessários alguns cuidados e preparos. Veja as dicas de Edgar Marcucci, Gestor de Projetos em Comunicação da agência comCENTRAL Comunicação:

1. Alinhe o conceito da campanha à sua empresa

É preciso avaliar a linguagem, o layout e a mensagem que será passada, de acordo com as outras formas de sua empresa se comunicar com seus clientes. Isso gera continuidade e assim mais resultados. Além de lembrar ao cliente quem sua empresa.

2. Seja atrativo sem deixar de ser sincero e transparente

De nada adianta atrair clientes para uma emboscada. Desta forma você estará demonstrando para o cliente que pode confiar em sua proposta.

3. Acerte no público

Você não quer ser inconveniênte ou falar para as paredes, então avalie e obtenha um mailing (listagem de contatos de clientes) adequado ao público alvo potencial de seu produto ou serviço. Pode ser uma listagem de clientes já cadastrados ou pode ser um mailing de um público que você ainda não têm como cliente. Se sua empresa não possue um grande volume de contatos, conte com empresas que oferecem listas segmentadas de contatos, melhorando assim seu resultado. O volume de contatos a ser utilizados, depende do tipo de divulgação realizada.

4. Não enviar, seu cliente precisa visualizar

A estrutura do e-mail marketing deve ser adequada de forma a não ser barrada pelos bloqueios como o AntiSpam. Além disso é preciso minimizar problemas de tamanho e formato dos arquivos enviados, principalmente imagens. Os links também obedecem a regras específicas de confiabilidade. Para estes ajustes técnicos, o melhor é contar com um especialista.

5. Direcione o cliente para a ação ou ambiente que ele espera

Ao visualizar sua campanha o cliente deve ser encaminhado para uma ação ou ambiente com maiores informações e possibilidades de contato. O ideal é dar opções online e offline.

6. Esteja pronto para atender

Se pretende obter resultados é preciso estar pronto para absorvê-los. Capacidade de receber e responder a todos os contatos feitos é fundamental para aproveitar bem cada oportunidade gerada.

7. Resultados

Utilize médricas bem definidas para medir os resultados e tente utilizar recursos que possam lhe dizer quantos contatos receberam, abriram, visualizaram, interagiram, encaminharam ou acessaram sua campanha. Outro ponto importante é conseguir identificar aqueles que pedem “remoção” e assegurar que estes não mais receberam suas campanhas, pois é uma questão legal.

8. Ferramentas para otimizar a campanha

Existem hoje uma grande diversidade de ferramentas que facilitam a criação, configuração, disparo e gestão das campanhas. Algumas gratuitas, porém muito limitadas e sem muitas garantias. “Em testes identificamos como maiores falhas o alto volume de e-mails encaminhados para o anti spam e relatórios inconsistentes” afirma Edgar Marcucci, lembrando também de que em Minas Gerais, apesar da carência de emprsas que prestam um serviço completo nesta área, os consumidorem já encontram serviços como o Sure Shot Marketing, que oferece toda a campanha, mailing, disparo e gestão, através da melhor ferramenta do mercado, com custos a partir de R$ 0,01 o disparo por cliente, é possível montar campanhas divulgando para público alvo filtrado, de 10 mil à 2 milhões de contatos.

Para que o e-mail marketing se torne um aliado nos seus resultados de captação de clientes e de vendas, o mais importante é uma campanha bem elaborada e realizada. E Marcucci completa: “volume de contatos não é tão eficiente quanto qualidade da campanha”, ou a ferramenta se transforma em um tiro no pé.